Chacina da Candelária

27 anos da Chacina da Candelária: Vidas Negras Importam! Basta de violência policial!

No dia 23 de julho, completou 27 anos da terrível Chacina da Candelária. Seguimos lutando pelo Vidas Negras Importam e por justiça a todos os jovens negros assassinados por essa polícia racista e assassina.

sexta-feira 24 de julho| Edição do dia

A noite do dia 23 de julho de 1993 foi marcada pela violência policial e o racismo estrutural do país. Crianças e jovens, vítimas da desigualdade social e do racismo, dormiam em frente à igreja Candelária e foram acordados sob tiros de policiais militares, que covardemente assassinou nove pessoas. Nessa noite, dormiam em frente à igreja Candelária cerca de 70 pessoas. Esse dia ficou conhecido como a Cachina da Igreja Candelária.

Ontem, 23, completou 27 anos dessa chacina, e seguimos lutando pelo Vidas Negras Importam e por justiça a todos os jovens negros assassinados por essa polícia racista e assassina. O Brasil é um país com estruturas profundamente racista, e a instituição policial cumpre um papel decisivo na violência, morte e repressão contra os negros. O levante negro incendiou dezenas de cidades nos Estados Unidos e em vários países do mundo pelo BlackLivesMatter, é preciso seguir esses exemplos da população negra e branca do EUA que estão exigindo o fim da polícia e o desfinanciamento da instituição policial, que é responsável pela violência e mortes de negros e pobres.

Segundo informações, quatro policiais foram condenados pela chacina da candelária, três deles eram policiais militares ativos e o quarto era um policial militar afastado que foi assassinado durante o processo judicial. Esses três policiais foram condenados a mais de 200 anos de prisão, porém, cumpriram menos de 20 anos e, hoje, vivem em liberdade. Wagner, um dos sobreviventes da cachina, relatou que os policiais colocaram ele e mais três jovens dentro de um carro e, logo depois, atiraram neles. Ele foi atingido por quatro balas e foi o único a sobreviver. Wagner ajudou na identificação dos policiais responsáveis e, durante as investigações, sofreu um segundo atentado, sendo novamente baleado quatro vezes. Waganer sobreviveu mais uma vez, porém, para se manter vivo, precisou sair do país. Após a chacina da Candelária, esse dia é marcado como uma data que não deve se repetir nunca mais.

As desigualdades sociais e raciais no Brasil se mantêm de pé mesmo após quase trinta anos a Chacina da Candelária. Lamentavelmente, os negros e pobres são as principais vítimas desse sistema capitalista, racista e opressor. Por isso, a nossa luta é contra esse sistema que nos explora e nos oprime cotidianamente. Basta de jovens negros vítimas desse Estado que nos violenta e nos assassina a cada 23 minutos no país. Os negros merecem viver uma vida sem classes e sem racismo. Que esse dia seja marcado por justiça e luta contra o racismo e a violência policial.




Tópicos relacionados

Racismo Policial   /    Racismo   /    Violência policial   /    Rio de Janeiro   /    [email protected]

Comentários

Comentar