Cultura

CARNAVAL

2018: o ano que o Carnaval trouxe para a avenida o grito de revolta dos brasileiros

Carolina Cacau

Foi candidata a vereadora do MRT em 2016, é estudante da UERJ e professora da rede estadual.

quarta-feira 14 de fevereiro| Edição do dia

O carnaval brasileiro é a maior festa popular do mundo. É marcado de alegria, pela rica diversidade cultura e sempre expressou a resistência popular. O carnaval 2018 não podia ser diferente, expressou nos desfiles das escolas de samba e nos blocos de rua a crise política e econômica e a politização do país.

No carnaval carioca, lindo como sempre, as críticas sociais e políticas deram o tom dos desfiles. Não vou ousar comentar sobre todas, mas não posso deixar de citar o belíssimo desfile da Mangueira que malhou Crivella, dando um recado claro contra os ataques a cultura negra e popular que o Prefeito-Bispo tem feito: "Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco" e o "Prefeito, pecado é não brincar o Carnaval!" e também o Salgueiro que colocou na avenida a beleza da força das mulheres negras, as guerreiras, feiticeiras e generais. Os gritos de Fora Crivella e Fora Temer ecoou em todos os blocos, nas arquibancadas, na boca dos foliões.

No entanto, a escola de samba que ganhou o país foi sem dúvidas a G.R.E.S. Paraíso do Tuiuti. Com um desfile histórico, fez o povo se arrepiar e chegou a ser um dos assuntos mais falados do Twitter. A Tuiuti trouxe a dor e a luta do povo negro trazendo com a dor da escravidão negra de ontem e a escravidão assalariada de hoje, simbolizada na reforma trabalhista e da previdência. A comissão de frente foi emocionante. Fez uma forte denúncia do golpe, com a fantasia sensacional do vampiro Temer e "manifestoches" com os patos amarelos, denunciando a reforma trabalhista, constrangendo a Globo, fazendo até o Rodrigo Maia ter que ir resmungar contra. Um desfile que lhe deu o posto de vice, depois de um ano de uma tragédia em seu último desfile.

Parabéns a Beija Flor que mostram um bom desfile, que também expressou críticas sociais em seu desfile e mostrou na avenida a força e a paixão da comunidade Nilópolis pela escola.

VEJA TAMBÉM Paraíso do Tuiuti e o grito negro pela liberdade e contra o golpe institucional

A Tuiuti entrou para história colocando na avenida o grito de revolta dos brasileiros, contundente contra as reformas que querem nos fazer trabalhar nas piores condições até morrer. Para todos nós a Tuiuti é vencedora. O carnaval mostrou que o povo não aceita esse governo golpista e os ataques querem nos impor.

A resistência se expressou na arte, agora é transformar a poesia em raiva e organização de classe para barrar os ataques, se organizar em todos os lugares para construir uma greve geral para barrar a reforma da previdência em defesa do povo votar em quem quiser. Agora falta as centrais sindicais saírem do bloco do corpo mole e convocarem uma nova greve geral. Carnaval é resistência!

VEJA TAMBÉM
- Transformar a jornada de luta em exigência a greve geral contra as reformas e pelo direito de votar em quem quiser
- MBL é humilhado nas redes por post contra a Tuiuti, e envergonhado apaga publicação
- Por que a Tuiuti está certa ao comparar a Reforma Trabalhista com trabalho escravo?
- Frota se irrita ao ver que é um "manifestoche" de Temer e chama Tuiuti de comunista
- Paraíso do Tuiutí fez comentaristas da Globo engasgarem e se calarem em rede nacional
- Rodrigo Maia se irrita com as críticas da Tuiutí contra a nefasta reforma trabalhista




Tópicos relacionados

Carnaval 2018   /    Trabalho Escravo   /    Reforma da Previdência   /    Reforma Trabalhista   /    Trabalho Precário   /    Terceirização   /    Cultura   /    Negr@s   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar