Política

ASSASSINATO

Mais 2 indígenas são assassinados no Maranhão em nome do agronegócio

O atentando ocorreu no interior do estado e ceifou as vidas de Raimundo Guajajara e Firmino Guajajara. Há um mês, outro indígena também foi morto em um atentado.

domingo 8 de dezembro de 2019| Edição do dia

Vítimas são da mesma etnia que Paulino Guajajara, guardião da floresta assassinado em novembro numa emboscada.

As vítimas voltaram de uma reunião com a Eletronorte, estatal construtora das hidrelétricas Tucuruí (PA), Coaracy Nunes (AP), Samuel (RO) e Curuá-Una (PA), além de termelétricas em Rondônia, Acre, Roraima e Amapá. O tema da reunião seria ações de bem-estar voltadas para os habitantes da Terra Indígena (TI) Canabrava, no Maranhão.

"Nós nos sentimos vulneráveis. [O atentado] pode ter a ver com as denúncias que a gente faz das invasões dentro dos nossos territórios", apontou um amigo da vítima.

As ameaças que Bolsonaro fez aos indígenas em sua campanhas e no seu governo infelizmente estão ocorrendo com velocidade e violência ainda maior que nos anos anteriores. Hoje, 2 indígenas foram assassinados em uma emboscada que deixou ainda vários feridos.

O caso representa mais um ato bárbaro contra os povos indígenas que defendem as vidas de suas comunidades contra as atrocidades cometidas em nome da expansão da mineração e do agronegócio.

Nesse sentido, nós do Esquerda Diário expressamos nossa solidariedade com as vítmas dos atentados e levantamos a necessidade de se mobilizar contra o massacre de indígenas e pela demarcação de terras.




Tópicos relacionados

Indígenas   /    Agronegócio   /    Política

Comentários

Comentar