MRT

ATO INTERNACIONAL FRAÇÃO TROTSKISTA

14 países, 6 idiomas: reveja o ato do 1º de Maio da Fração Trotskista - Quarta Internacional

No 1º de Maio de 2020, a Fração Trotskista - que reúne organizações socialistas e revolucionárias de 14 países - realizou um ato virtual internacional em apoio a todas as trabalhadoras e trabalhadores do mundo que se enfrentam com a exploração, a opressão e a pandemia, e para levantar um programa e uma estratégia de luta para que esta catástrofe não seja paga novamente pelos trabalhadores, mas pela classe social responsável pela crise que vivemos: os capitalistas.

domingo 3 de maio| Edição do dia

Desde as 15h, com mais de 7.000 pessoas conectadas simultaneamente de diferentes países da América Latina, Estados Unidos e Europa, o ato virtual do primeiro de maio foi realizado organizada pela Fração Trotskista - Quarta Internacional - que reúne organizações socialistas e revolucionárias de 14 países e da qual o MRT participa.

Vídeo com dublagens em português

Logo após o final do ato, este já somava mais de 140 mil visualizações, muitas delas de várias pessoas juntas e o número continua a crescer.

América do Norte e Central

Enviou sua mensagem desde os Estados Unidos Tre Kwon, enfermeira de Nova York e redatora do jornal Left Voice.

- “Minha mãe, em busca do sonho americano, imigrou para os Estados Unidos. Mas o sonho não será capaz de pagar por sua casa ou comida. Não a protegerá no trabalho. Não trará de volta as 59.000 mortes de COVID-19 nos Estados Unidos. Trabalho ao lado dela e de dois milhões de outras enfermeiras, 90% de nós mulheres. O trabalho ’feminizado’ é subvalorizado em nossa sociedade. Mas agora, com a crise da saúde, percebe-se que o trabalho social reprodutivo é absolutamente essencial. Nós, mulheres trabalhadoras, somos essenciais. O forma desastrosa com que Donald Trump lidou com a pandemia causou muitos milhares de mortes - além das fatalidades "inevitáveis" do coronavírus".

-  "Bernie Sanders capturou a desilusão com o regime político e sua campanha realmente impulsionou e refletiu as aspirações de uma sociedade mais humana, com demandas progressistas e a favor dos trabalhadores, como um sistema de saúde pública. Mas Bernie vinculou seu destino ao Partido Democrata desde o início e esse impediu sua candidatura, deu seu total apoio a Joe Biden, exatamente no momento em que mais precisamos de políticas radicais. Na verdade, Sanders chegou a votar no resgate de US $ 2 trilhões.”

Ver também: EUA: Tre Kwon mostra as várias frentes da luta dos trabalhadores

Flora Aco, trabalhadora estatal reintegrada, membro do Movimento de Trabalhadores Socialistas (MTS) e do La Izquierda Diario México, envia sua mensagem do México.

- “No país com mais feminicídios no continente, são enfermeiras, médicas, trabalhadores da limpeza que lideram os protestos que estão crescendo no setor da saúde. Elas exigem, junto com seus colegas, suprimentos, equipamentos de biossegurança, máscaras e luvas e enfrentam as consequências da desastrosa política de saúde deste governo.”

 - “La Izquierda Diario México, parte da Rede Internacional que promove a Fração Trotskista, tornou-se uma voz dos trabalhadores que lutam em todo o país, desde as operárias de maquilas até as migrantes e os povos originários em defesa do território. Estamos semeando as ideias e o programa revolucionário e vamos por mais mais. Por isso, aderimos à convocação lançada pela Frente de Esquerda e dos Trabalhadores da Argentina para uma Conferência Latino-Americana”.

Ver também: México: "Em meio à demissões e a pandemia, a consigna é Queremos Viver”!

Depois falou Paola Zeledón, trabalhadora de call center, membro da Organização Socialista (OS) e redatora do La Izquierda Diario da Costa Rica.

- "O vírus é natural, mas o capitalismo é a causa da crise que assolou até as cidades mais importantes do mundo. Na Costa Rica, em meio a essa crise, o governo Carlos Alvarado fez todo o possível para manter o lucro dos empresários e dos grandes capitalistas. Agora, o trabalho informal e precário atinge 47% da força de trabalho, e também o capital transnacional e imperialista saqueia os recursos do país através da dívida externa e da exploração de milhares em zonas francas e no agronegócio."

Ver também: Costa Rica: “O vírus é natural, mas o capitalismo é a causa da crise que nos açoitou”

Europa

Santiago Lupe, historiador, dirigente da Corrente Revolucionária dos Trabalhadores (CRT) e diretor do Izquierda Diario do Estado Espanhol.

- "Este novo plano de resgate para os capitalistas está sendo aplicado novamente por um governo social-liberal do PSOE, como foi feito em 2008, mas desta vez também está sendo feito em conjunto com o Podemos. Uma esquerda que se apresentava como nova, mas tinha a receita antiga de reformar o capitalismo. Hoje, milhares vêem como aqueles que nasceram desafiando o ajuste de 2008 estão na vanguarda de um ajuste ainda pior, porque eles assumiram fazer parte de nada menos que um governo da quarta potência imperialista europeia. Em outras palavras, ser os advogados das multinacionais espanholas que enriquecem as riquezas de nossos países irmãos na América Latina e em outros continentes”.

Ver também: Espanha: “Não há reforma possível para a União Europeia do capital”

Depois vem Charlotte Ruga, enfermeira obstétrica em Munique, Alemanha, membro da Organização Internacionalista Internacional da Revolução (RIO) e do jornal Klasse Gegen Klasse.

- “O mundo olha para a Alemanha como um bom exemplo diante da pandemia de coronavírus. Mas aqui também são os trabalhadores que pagam pela crise. 770.000 empresas estão trabalhando em meio período e o desemprego afetará 3 milhões de trabalhadores. Enquanto isso, as empresas recebem centenas de bilhões de euros em pacotes de resgate e subsídios, pagos com fundos dos trabalhadores.”

- “Com a crise, estão tentando dividir ainda mais nossa classe, fazendo-nos competir uns com os outros. Em Hamburgo, desalojaram um campo de refugiados, e os controles racistas da polícia estão aumentando a cada dia. A violência doméstica contra as mulheres aumentou, além dos custos com o fechamento de creches e escolas sendo descarregadas sobre as mulheres nos lares.”

Ver também: Alemanha: "Na crise, tentam dividir nossa classe e colocá-la em competição"

Da França fala Gaëtan Gracia, delegado da CGT na indústria aeronáutica, militante do Novo Partido Anticapitalista | Révolution Permanente e redator do jornal Révolution Permanente.

- "No setor de aviação, o setor em que trabalho, lutamos para fechar a maioria das fábricas em meados de março, porque consideramos que não havia nada essencial no fornecimento de aeronaves para companhias aéreas que já estavam paralisadas. Vimos rapidamente como a Airbus, junto com o governo, estava tentando reabrir as fábricas, mesmo que isso significasse usar centenas de milhares de máscaras para retomar a produção, em vez de entregá-las aos trabalhadores de saúde. Diante disso, levantamos nossas vozes com uma consigna: controle dos trabalhadores. Porque têm que ser os trabalhadores que controlam as medidas sanitárias. Nós não temos confiança nos nossos patrões. São os próprios trabalhadores que têm que controlar os livros contábeis, as contas das empresas, especialmente aquelas que dizem ter dificuldades para justificar as demissões".

- "Nossa política é internacionalismo e o anti-imperialismo. É com essa lógica que na França lutamos pela construção de um grande partido revolucionário que reúna militantes e correntes de diversas tradições e diversas origens. Lutamos, dentro do Novo Partido Anticapitalista, com essa perspectiva, começando com o agrupamento do Novo Partido Anticapitalista e de Lutte Ouvrière, os dois partidos trotskistas, em torno de um debate que extraia as lições das experiências da luta de classes nos últimos anos".

- "Acreditamos que é possível construir um partido que tenha um programa e estratégia verdadeiramente revolucionários e que lute pelo comunismo, isto é, por um mundo de amanhã organizado em função nossas vidas e não dos seus lucros".

Ver também: França: "Nos opomos a todo patriotismo"

E da Itália Scilla Di Pietro, trabalhadora em gastronomia, membro da Frazione Internazionalista Rivoluzionaria (FIR) e cronista do La Voce delle Lotte, manda sua mensagem.

- "No meio dessa crise, um clima de unidade nacional foi imposto na Itália, em torno do presidente Conte, que se apresenta como o ’pai da pátria’. Mas a luta dos trabalhadores começou a quebrar essa frente reacionária. Metalúrgicos e trabalhadores de logística, com mobilizações e greves selvagens, transformaram a raiva em luta. ”

 - “Durante a greve geral de 25 de março, muitos médicos, enfermeiros e enfermeiras também participaram de uma greve de um minuto, pedindo aos trabalhadores que lutassem por eles também. Eles são um exemplo para a classe trabalhadora em todo o mundo.”

Ver também: Itália: "Os trabalhadores transformaram a raiva em luta"

América do Sul

Ángel Arias falou desde Venezuela. Ele é funcionário público e ex-porta-voz da luta pelo contrato coletivo. Também é membro da Liga dos Trabalhadores do Socialismo (LTS) e escreve no La Izquierda Diario Venezuela.

- "A crise de Covid-19 veio aprofundar o sofrimento do povo, o autoritarismo do governo e o papel criminoso das sanções imperialistas. Na Venezuela, arrastamos uma das crises mais profundas de toda a sua história, com uma extensão violenta da fome e da miséria, com precedentes apenas nos conflitos armados que o país experimentou no século XIX.”

Ver também: Venezuela: “A crise do Covid-19 veio para aprofundar os padecimentos do povo, autoritarismo do governo e o papel criminoso das sanções imperialistas”

A mensagem enviada do Uruguai por Karina Rojas, membro do Grupo de Mulheres Pão e Rosas e da Corrente de Trabalhadores Socialistas (CTS). Impulsiona o La Izquierda Diario Uruguay.

- "No Uruguai, mais uma vez temos um governo de direita que, nos primeiros momentos da crise devido à pandemia, não hesitou em aplicar maiores isenções aos capitalistas, permitindo que eles enviassem ao seguro desemprego toda a sua força de trabalho, cobrando parte de seu salário e em mandar leis ao parlamento que reforçam o aparato repressivo”.

Ver também: Uruguai: "lutar contra a direita e superar a Frente Ampla com uma organização dos trabalhadores"

Da Bolívia falou Violeta Tamayo, dirigente do Pão e Rosas e da Liga Revolucionária dos Trabalhadores da Quarta Internacional (LORCI). Escritora do La Izquierda Diario Bolivia.

- "Desde Bolívia, queremos comemorar este 1º de maio com os trabalhadores do campo e da cidade, especialmente em meio a essa crise política, que enfrentaram corajosamente o golpe cívico, militar, clerical, policial e empresarial que se assentou graças ao imperialismo, a OEA e grupos da direita regional em novembro do ano passado".

-  "Estamos orgulhosos e orgulhosos, companheiros e companheiros, de fazer parte de uma corrente internacional que, através do Izquierda Diario, ajudou a romper a barreira da mídia que queriam impor aos massacres, torturas e prisões. Saudamos as bravas famílias de Senkata, Ovejuyo e Sacaba, que estiveram na vanguarda dessa resistência e que também lutaram por justiça e liberdade para presos políticos".

Ver também: Bolívia: "Os trabalhadores devem recuperar as ferramentas de organização das mãos da burocracia, recuperar o melhor da tradição do movimento operário"

Marcello Pablito falou do Brasil. Ele é trabalhador da Universidade de São Paulo e membro do Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT) e também escreve no Esquerda Diário.

- "Quando a pandemia começou, Bolsonaro disse que "o brasileiro nada no esgoto e nada acontece". Isso ocorre em um país onde mais de 30 milhões de pessoas nem sequer têm acesso à água potável e onde os negros são os que mais morrem como resultado dessa pandemia".

 - "Mais do que nunca, precisamos colocar os sindicatos de volta nas mãos da classe trabalhadora e impedir que a burocracia vendida atrapalhe nossa organização e nossa unidade. Temos que defender os trabalhadores precários, os terceirizados e os informais, aqueles jovens que deixam a vida 12 horas por dia numa bicicleta. Temos que defender nossos irmãos imigrantes que estão sendo humilhados ou mortos nas fronteiras, como acontece na fronteira com a Venezuela aqui no Brasil.”

Ver também "No Brasil do reacionário Bolsonaro e dos militares lutamos pela unidade dos trabalhadores negros e brancos!"

Cecilia Quiroz, estudante de História e membro da Corrente Socialista dos Trabalhadores (CST), envia suas saudações do Peru. Ele escreve no La Izquierda Diario Perú.

- "O presidente anunciou um plano de resgate de um milhão de dólares aos bancos e os grandes empresários, ao mesmo tempo, permitiram a suspensão perfeita do trabalho com o qual milhares de trabalhadores ficarão sem salário por três meses. Um ataque à classe trabalhadora dessa magnitude não se aplicava desde Fujimori e tudo isso com a cumplicidade da burocracia sindical. A Frente Ampla e o Novo Peru, que fazem parte da esquerda neo-reformista, saudam o governo pela entrega de auxílios direcionados que estão longe de cobrir a cesta básica familiar e de atingir todos os trabalhadores e setores populares afetados".

Ver também: Peru: "a luta contra a pandemia e o maior ataque aos trabalhadores desde o governo de Fujimori"

No Chile está Lester Calderón, presidente da Sindicato 1 Orica - Confederação de Trabalhadores Industriais de Constramet e membro do Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PTR). Parte da equipe do La Izquierda Diario Chile.

- “No Chile, a rebelião popular conseguiu abalar a agenda política e travar as reformas neoliberais que o governo queria aprofundar. Hoje querem aproveitar a pandemia para retomar e redobrar essas medidas.”

 - “Aqui em Antofagasta, cidade mineira, portuária e industrial que foi um dos epicentros da rebelião popular, desde o Comitê de Emergência e Resguardo promovemos a solidariedade e também fazemos parte da coordenação de sindicatos como SGS Minerals, SGS Chile e Buró Veritas, que hoje lutam juntos contra as demissões. Também do sindicato dos trabalhadores de Orica, do qual faço parte, juntamente com os mineiros de Guanaco e as professoras, apoiamos a luta dos trabalhadores da limpeza do Hospital de Antofagasta, que lutaram por suprimentos e condições de higiene e triunfaram.”

Ver também: Chile: “Lutamos por conquistar o que se lia nos muros do país: por uma vida que mereça ser vivida”

O ato é encerrado por Raúl Godoy de Neuquén, Argentina. Ele é operário da Fasinpat (ex-Zanon) e deputado pela FIT em Neuquén além de dirigente do Partido Socialista dos Trabalhadores (PTS). Impulsionador e colunista do La Izquierda Diario Argentina.

- “Nosso acúmulo teórico-político, o desenvolvimento de nossa rede de jornais, os acordos programáticos, táticas e ações eleitorais que alcançamos com diferentes correntes ao longo desses anos são um grande passo, mas sabemos que mão são suficientes. Nossa tarefa mais importante é convocar novas gerações de jovens, mulheres e trabalhadores para abraçar fortemente ideias revolucionárias, apropriar-se de todas as ferramentas desenvolvidas e ir por mais".

- "O convite que queremos fazer neste ato aos milhares que se conectaram de diferentes partes do mundo é participar da construção desse partido internacional e revolucionário da classe trabalhadora. Aquela organização dos escravos insurgentes que organiza a força necessária para enfrentamos os sofrimentos e as dificuldades que todos os capitalistas querem continuar a nos submeter. Nossa corrente internacional também aposta, no calor da luta de classes, em confluir com partidos, grupos, setores e correntes dos mais diversos países com os quais compartilhamos experiências de combate político e nas ruas em direção a um movimento comum, por uma internacional da revolução socialista, o que para nós implica a reconstrução da IV Internacional. Para esta tarefa ambiciosa e emocionante, nós os convidamos."

Ver também: Argentina: "os sucessivos governos liberais e os que se dizem progressistas destruíram sistematicamente todo o sistema de saúde em todo o mundo, inclusive nas grandes potências"

O ato terminou cantando a Internacional, hino internacional dos trabalhadores.

Ato classista do 1º de Maio no Brasil, e ato da Frente de Esquerda na Argentina

No Brasil, antes do ato da FT, Maíra Machado foi oradora pelo MRT no 1º de Maio Classista e Independente, convocado pelas centrais sindicais CSP-Conlutas e Intersindical ("Instrumento de Luta da Classe Trabalhadora") depois de haverem rompido com o ato das grandes centrais sindicais que convidaram inimigos dos trabalhadores para falar no ato. Maíra, que é diretora da APEOESP (sindicato dos professores estaduais de SP) falou pelo MRT no bloco dedicado aos partidos políticos, depois das intervenções de Vera Lúcia do PSTU, Israel Dutra e Sara Azevedo do MES, pelo PSOL, que junto ao Bloco de Esquerda do PSOL foram as correntes que participaram efetivamente do ato.

Ainda no 1º de Maio, a Frente de Esquerda e dos Trabalhadores Unidade, na Argentina, realizou um ato Classista, Socialista e Revolucionário. É a principal frente de independência de classe no mundo, encabeçada pelo Partido de los Trabajadores Socialistas (PTS, organização irmã do MRT no Brasil), também composta pelo Partido Obrero (PO), Izquierda Socialista (IS) e Movimiento Socialista de los Trabajadores (MST). Falaram Romina del Plá (PO), Celeste Fierro (MST), Juan Carlos Giordano (IS), e o ato foi fechado por Nicolás del Caño (PTS). Colocamos na íntegra o ato abaixo, e a intervenção final de Nico.




Tópicos relacionados

Fração Trotskista (FT-QI)   /    MRT

Comentários

Comentar