Mundo Operário

PARALISAÇÃO DE ENTREGADORES

14 de julho - paralisação em SP: os entregadores devem decidir cada passo de sua luta!

Dia 14 está marcada uma nova paralisação de entregadores em SP, no protesto dia 1 essa categoria mostrou muita força e deve decidir os rumos de sua luta.

terça-feira 14 de julho| Edição do dia

Imagem: Reprodução/TV Globo

Nossas vidas valem mais que o lucro deles! Toda solidariedade a família e amigos do entregador morto em um acidente dia 12 na 9 de Julho. Mais um que perde a vida pela ganância das empresas, não vamos aceitar calados!

O protesto desse dia 01/06 juntou milhares de entregadores em todo o país, já tem até professor de faculdade dizendo que foi o maior protesto de entregadores que já aconteceu na história! Além disso foi internacional, em vários países os entregadores também protestaram!

O entregador é essencial, ainda mais na pandemia e não ta sozinho, a população ta com vocês e tem muito apoio de varias outras categorias.

As empresas sentiram o peso do entregador organizado e tiveram que parar de meter o loko e ignorar os entregadores! Diretor do Ifood foi obrigado a dizer que reconhece que as reivindicações são justas.

A imprensa, a justiça e até alguns políticos também foram obrigados a que ter que falar que a causa é justa!

Agora é a hora de ir pra cima deles! Entregador tem que estar unido, é Bike, é motoca, é todos juntos pra mostrar que o trabalhador tem força e pode vencer essas empresas que só querem lucrar em cima do suor de todos!

Mas e agora? A guerra continua, mas como podemos ganhar?

Muitos querem arranjar argumento pra divisão, falam que motoca não tem nada a ver com quem é bike... separam as datas dos protestos e paralisações, querem dividir os que querem dar opinião sobre política de quem por enquanto tem a opinião de que não é hora pra isso. O sindicato tem que estar para fortalecer, e não para dividir as lutas.

A união vem em primeiro lugar, mas temos que ter democracia no movimento pra debater as opiniões diferentes porque isso fortalece a luta. Algumas pessoas falam que não tem que falar em politica, mas as empresas estão fazendo politica contra os trabalhadores o tempo todo!!

Numa guerra vamos ter que usar de todas as armas a nosso favor e se os entregadores não discutirem e não fizerem a sua própria política, que não tem nada a ver com as negociatas que os políticos fazem em Brasília, pode ter certeza que os políticos que estão junto com as empresas vão fazer política usando o nome dos entregadores. Tem gente criticando os entregadores que se declaram de esquerda ou contra o Bolsonaro (que desde o início do movimento estão fortalecendo a luta). Isso só divide o movimento, exclui vários que poderiam somar.

Os entregadores é quem devem decidir cada passo da sua luta!

É por isso que o certo seria votar os representantes dos entregadores de cada local em reuniões e assembleias, onde todos possam dar sua opinião sobre tudo, sobre as pautas e decidir as próximas ações conjuntas. Os representantes devem levar nas reuniões aquilo que a maioria dos entregadores decidirem e antes de aceitar qualquer proposta ou acordo são os entregadores que devem decidir através de assembleias.

Nossa opinião é que a direita nunca fez nada por nós, pelo contrário estão massacrando os trabalhadores e o povo. Bolsonaro já mostrou que defende os patrões e não tá pelos entregadores: já negou auxílio emergencial pra todo um setor e já negou inclusive a MP 979 que aumentaria as taxas dos entregadores. Os militares tão botando a mão no fogo por esse demônio aí também.

A "oposição" de Doria, Maia e etc fica fazendo discursinho, mas no fim das contas são os que apoiaram e articularam a reforma trabalhista que meteu um monte de gente no trabalho informal e precário. Não temos que ter nenhuma ilusão em nenhum deles. Foi articulada uma negociação com o Maia, é preciso tentar ao máximo arrancar alguma coisa desse espaço, mas sem nenhuma ilusão: não dá pra deixar que palavras ao vento desmobilizem a nossa luta. Eles não vão dar nada de mão beijada, vamo ter que arrancar com a força da nossa luta.

A mesma coisa sobre a justiça do trabalho e a reunião articulada com o TRT pelo Sindimoto de SP dia 14, que está chamando uma paralisação pra esse dia. Eles têm que ser colocados contra a parede pelos entregadores, não vão ceder nada por “boa vontade”. Temos que estar ligeiros com o que vai ser decidido, e discutir em assembleias e reuniões de entregadores se acatamos ou não o que sair dessa negociação.

Não concordamos com o PT, achamos que centrais sindicais da CUT e CTB têm que sair da paralisia, apoiar de verdade os entregadores e unificar essa luta com todas as outras categorias que estão sendo atacadas, como os metroviários, aeroviários, correios... Uma só classe, uma só luta!

Se unimos a classe trabalhadora podemos derrotar os ataques das empresas, enfrentar Bolsonaro e seu governo, mudar as regras do jogo desse sistema político com uma nova Constituição a favor do povo e pra fazer que a crise econômica seja paga pelos empresários e não pelos trabalhadores.

As vidas negras importam

As vidas trabalhadoras importam

Bora fortalecer o próximo breque, dia 25 tá ai!!




Tópicos relacionados

Entregadores   /    Trabalhadores   /    precarização   /    Trabalho Precário   /    Greve   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar