Política

ELEIÇÕES RIO DE JANEIRO

11 motivos para não votar em Pedro Paulo (PMDB) para prefeito do Rio

Conheça os 11 motivos para não votar em Pedro Paulo, candidato do PMDB à prefeitura do Rio de Janeiro.

sexta-feira 23 de setembro| Edição do dia

Pedro Paulo, candidato à prefeito pela coligação "Juntos pelo Rio" e atual secretário-executivo do governo de Eduardo Paes possui 9% das intenções de voto, segundo o Ibope. Está empatado com Marcelo Freixo (PSOL) e há uma possibilidade de que vá para o segundo turno com Crivella (PRB). No entanto, segundo a mesma pesquisa do Ibope, Pedro Paulo é o candidato mais rejeitado pelo eleitorado carioca, pois 36% dos entrevistados disseram que votariam de jeito nenhum nele.

A seguir enumeramos 10 motivos para não votar nesse agressor de mulher que representa os interesses dos ricos e que manipula a população com um discurso mentiroso de ampliação em investimentos na saúde, educação e no transporte.

1. Primeiramente, Pedro Paulo é golpista

O partido de Pedro Paulo, o PMDB, foi o principal articulador parlamentar do golpe que impôs à população brasileira um governo ilegítimo presidido por Michel Temer. O governo golpista já anuncia ataques profundos à classe trabalhadora com a retirada de direitos históricos e com a reforma da previdência aumentando a idade para se aposentar, fazendo com que a crise que os capitalistas e banqueiros provocaram seja paga pelos trabalhadores e pela população pobre.

2. É machista e agressor de mulher

Pedro Paulo agrediu sua ex-mulher, Alexandra Marcondes, com socos pelo corpo e no rosto na frente da sua filha de apenas dois anos de idade e afirmou seu crime dizendo em entrevista pública que "perdeu o controle e exagerou na discussão". É inadmissível um homem desse tipo ainda querer ser prefeito e andar por aí impunemente, e ainda contou com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que pediu ao Superior Tribunal Federal arquivamento de inquérito contra Pedro Paulo. Janot argumentou que as lesões seriam fruto de defesa por parte do parlamentar, sendo que são escancaradas as provas que ele agrediu. Vivemos em um país onde uma mulher é violentada a cada 11 minutos e o exemplo de Pedro Paulo é mais um dentre tantos milhares de casos de violência contra a mulher que existe nesse país profundamente patriarcal e machista.

3. Defende e aplica os ajustes

Como foi dito anteriormente, Pedro Paulo apoiou o golpe e inclusive é do partido do governo de Temer. Nos debates e na propaganda eleitoral, Pedro Paulo promete mais investimentos nas áreas sociais de interesse da população, como saúde e educação. Porém o que ele não fala é que seu partido defende a extinção do SUS, no projeto "Ponte para o Futuro", e mais recentemente prepara o primeiro ataque ao orçamento público das áreas sociais com a votação da PEC 241 que fixa um teto nos gastos públicos, significando cortes de verbas para a saúde, educação e funcionalismo público, e mais privatização dos serviços públicos.

4. Diz que valoriza a educação mas reprimiu professor e a greve vitoriosa dos garis

Em 2013, quando Pedro Paulo era secretário da Casa Civil do governo Paes, foi votado na Câmara dos Vereadores um plano de cargos e horários contrário ao plano de carreira defendido pelos professores do município em greve naquele ano. Para dispersar o legítimo protesto dos professores em defesa da educação pública, Pedro Paulo votou o plano do governo sob bombas de gás lacrimogêneo na câmara, ferindo vários profissionais da educação. Em 2014, ainda como Secretário da Casa Civil, junto com Paes e Vinícius Roriz, naquele momento, presidente da Comlurb, chamou de “deliquentes” os garis que protagonizavam uma das principais greve de trabalhadores das últimas décadas e também mandaram escolta reprimir os trabalhadores que participavam dos piquetes.

5. Não tem merenda nas escolas

No debate da Rede TV (09/09), uma mãe negra questionou os candidatos sobre a falta de merenda na escola para seus filhos, denunciando o discurso mentiroso de valorização da educação de Pedro Paulo. Além disso, a grande maioria das escolas municipais está sem porteiros e sem professores.

6. Reivindica o desmonte da saúde pública

Não basta apoiar um programa que extingua o SUS, Pedro Paulo reivindica e quer ampliar a parceria público-privada, as conhecidas OSs (Organização Social), empresas privadas que gestionam os hospitais. Esse modelo de terceirização do serviço público não deu certo e só fez piorar o serviço médico. Na maioria dos hospitais faltam materiais, os salários são baixos e o atendimento extremamente demorado pela falta de funcionários. Várias dessas empresas estão envolvidas em escândalos de desvio de verbas e corrupção, mostrando que uma gestão que só visa o lucro é incompatível com o interesse da população que necessita de um serviço médico público e de qualidade.

7. Fez parte de um governo que só criou caos nos transportes

Um dos legados de Paes será o caos no transporte público. Passagem absurdamente cara e com trânsitos intermináveis, Pedro Paulo promete abertamente em repetir a precarização para os trabalhadores e a população e ampliar o caos na mobilidade urbana, mantendo as baldeações impostas por Paes e os cartéis dos ônibus. O valor das passagens não é questionado pelo candidato e inclusive o seu governo anunciou que o valor da integração BRT-Metrô custará R$ 7,00 e o trabalhador economizará míseros R$ 0,90! Além da economia insignificante, os usuários reclamam do valor "salgado" da passagem. E os governos de Paes e Pezão/Dornelles governam para enriquecer a máfia dos transportes

Veja este vídeo:

8. Reivindica o legado de remoções na cidade

Em suas falas e em seu programa eleitoral Pedro Paulo reivindica o legado das Olímpiadas e a revitalização do Porto Maravilha. Isso quer dizer que ele reivindica o legado de mortes causadas pela PM nas UPPs, as remoções de famílias pobres para organizar os jogos e a dívida imensa que esses megaeventos causaram a economia do estado. O governo Paes foi o campeão de remoções, como a remoção da Vila Autódromo ao lado do Parque Olímpico que começou a ser desocupada pelo município desde 2014. Até o segundo mandato de Paes, 70.000 pessoas foram removidas de suas casas para priorizar os jogos olímpicos, batendo recorde na história.

9. Defende a ampliação da militarização da cidade

Não é novidade para nenhum carioca do quanto essa cidade é militarizada. Policiais com fuzis em punho em plena manhã por toda a parte, UPPs que não pacificam nada e até a guarda municipal usando armas e uniforme como a Polícia Militar. Pedro Paulo promete investir R$ 1 bilhão em segurança no seu projeto Guarda Presente, em vez de investir esse dinheiro em saúde e educação. Ele prefere ampliar o que já acontece no governo Paes, a crescente militarização da guarda municipal para proteger a propriedade comercial e empresarial da cidade e largar a bala nos pobres e nos movimentos sociais.

10. Recebe dinheiro de empresários enquanto as restrições são aplicadas dura e exclusivamente à esquerda

O TRE-RJ registrou 2,5 milhões de arrecadação para a campanha de Pedro Paulo, quase três vezes mais do que soma do arrecadado por todos os outros candidatos juntos! Os empresários trocaram o CNPJ para o CPF e continuam financiando as campanhas eleitorais como sempre ocorreu, enquanto as restrições da contra-reforma política, são aplicadas dura e exclusivamente à esquerda. A maior das doações recebidas, foram 200 mil vindo do empresário bilionário e processado Marcelo Lírio Gonçalves, que é dono do Hotel Nacional e do laboratório Neoquímica. Seu segundo maior doador, Aziz Chidid Neto, é presidente do Grupo Memorial Saúde que comprou o plano de saúde Assim, que por sua vez atende aos servidores da Prefeitura do Riol. Outras doações de beneficiados pelos contratos da prefeitura constam na lista, como a Roberto Kreimer, da Kreimer Engenharia, que está construindo o Aquário Marinho em terreno cedido pela prefeitura. Rogério Jonas Zylbersztajn da RJZ Cirela, outra construtora e Gabriela Lobato Brandão Marins, da BR Marina, que pegou os contratos de revitalização da Marina da Glória. Da Mktplus Comunicação, que mantém 64,8 milhões em contratos com a Prefeitura, Luis Carlos da Silva, Rodrigo Venancio e Elso Venancio doaram 30 mil cada, diretamente ao PMDB que por sua vez repassou a Pedro Paulo.

11. Concluindo, Pedro Paulo é racista

Durante uma suspeita entrega de moradias em plena campanha eleitoral, numa comunidade do Rio, Eduardo Paes entrega a chave da casa para uma mulher negra e diz que ela "treparia muito" no quarto que estava sendo oferecido. Não satisfeito, continua dizendo que ela traria muitos "namorados" para o quarto e que ela faria muito sexo. Durante todo esse absurdo racista e hipersexualizado do corpo feminino negro dito por Paes, Pedro Paulo estava ao lado rindo do que estava acontecendo e sendo totalmente conivente com um discurso que retrata a mulher, principalmente as mulheres negras, como objeto sexual.

Vídeo o vídeo:




Tópicos relacionados

Eleições Rio de Janeiro   /    Eleições 2016   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar